Logomarca

15 dicas de viagem pra Itália para quem vai pela primeira vez

Acabei de chegar da minha primeira viagem a Itália, passei 10 dias entre duas regiões do centro da Itália: a Toscana e a Umbria. Estou começando a escrever os posts específicos com roteiros e atrações, mas decidi fazer esse post com algumas observações mais gerais desses 10 dias que passei no país. Se você vai pela primeira vez pra Itália, acho que essa lista pode ser útil!

1. O café-da-manhã dos italianos é doce, normalmente pão e marmellata (geléia) e café (espresso na maioria das vezes). Nas pasticcerias você vê o povo todo tomando um espresso com pãozinho doce qualquer. Croissant com chocolate ou nutella, croissant com creme, torrada com geléia de frutas, quando eu via alguém comendo um pão com queijo ou presunto, era turista! Nos hotéis que eu fiquei hospedada eles tinham café-da-manhã com doces e salgados, então dava pra comer um pão com queijo se eu quisesse. Se vai ficar em hotel sem café-da-manhã, já sabe o que vai encontrar!

Meu café-da-manhã na pasticceria Sandri em Perugia, um cornetto di cioccolato

Meu café-da-manhã na pasticceria Sandri em Perugia, um cornetto di cioccolato

2. Cada região da Itália tem os seus vinhos típicos da área e eles são bairristas pra caramba, preferem comprar os vinhos do lugar onde moram do que de outras regiões. Na Toscana o Chiantie o Brunello são reis, na Umbria o Sagrantino e o Montefalco Rosso são os mais comuns. E os vinhos locais são baratíssimos, tanto em restaurantes quando nos supermercados. Um vinho da casa em um restaurante pode sair mais barato que um refrigerante, e os vinhos da casa costumam ser decentes. Muitos vinhos tem os nomes das cidades onde são feitos. Sem falar que os vinhos do lugar combinam com a culinária da região, então procure tomar o vinho local ao invés de pedir vinhos vindos de outras áreas.

Degustação de vinhos na Barone Ricasoli, uma vinícola em Gaiole in Chianti, na Toscana

Degustação de vinhos na Barone Ricasoli, uma vinícola em Gaiole in Chianti, na Toscana

3. Os italianos tem uma quantidade absurda de marcas de águas engarrafadas. Eu não tinha noção de que eram tantas, deveria ter tirado foto de cada garrafa que bebi, porque tenho quase certeza que em 10 dias eu não tomei a mesma água mais de uma vez! Com gás (frizzante, rótulo azul) ou sem gás (naturale, rótulo vermelho), são muitos tipos e tem a composição química no rótulo pra você saber que sais minerais tem naquela água. Uma observação sobre os rótulos: todas as águas que eu bebi tinham essa padronização de rótulo, mas não é 100% – tem algumas águas que tem rótulos de outras cores. Um italiano com quem eu estava conversando na primeira noite reclamou que quando ele foi aos EUA, o rótulo da água só tinha escrito “água” e ele não sabia quais eram os minerais das águas para poder escolher! Em supermercados você vai sempre encontrar garrafas bem maiores pelo preço das pequenas que são vendidas em bares e restaurantes, claro.

Meu pedaço de pizza e uma das muitas garrafinhas de água que tomei

Meu pedaço de pizza e uma das muitas garrafinhas de água que tomei

4. Os restaurantes por onde passei não serviam almoço antes de meio-dia (e fecham em torno de 14h30) e não servem jantar antes das 19h30. Entre 20-21h é o horário que todo mundo janta. Mas não pense que os restaurantes ficam abertos até altas horas não, lá pelas 23 horas estão fechando. Se não se planejar pra comer nas horas certas pode ficar com fome!

Restaurante Osteria del Castello em Gaiole in Chianti

Restaurante Osteria del Castello em Gaiole in Chianti

5. Muita coisa fecha entre 12h30-16h pro almoço (comércio e atrações turísticas). A maioria reabre por volta de 14h30 mas ainda assim alguns lojas e restaurantes só reabrem as 16h. Exemplo: a Basílica de Santa Maria degli Angeli, onde fica a Porciúncula de São Francisco, que abre novamente as 14h30 e a loja da TIM que só abriu de novo as 16h. Dei com a cara na porta no meio da tarde…

6. Na semana de 15 de agosto, praticamente o país inteiro para de trabalhar e os italianos saem de férias al mare (pra praia). Não é uma boa época para visitar a Itália, porque você vai encontrar quase tudo fechado. Ir pra uma cidade de praia então nem pensar, tudo lotado e caro.

7. Os gelatos (sorvetes) italianos são famosos. Mas nem todo gelato é artesanal (artigianale), a maioria hoje em dia não é mais. Mesmo assim são melhores que a maioria dos sorvetes que já tomei no Brasil ou EUA. Os gelatos de fábrica normalmente tem uma plaquinha de nome dos sabores padronizada que você aprende a reconhecer. O preço médio de um copinho pequeno de gelato com 2 sabores é 2 euros, o mais caro que eu tomei foi 2.50 no Grom em Siena e o mais barato 2 euros em vários lugares na Umbria. Os meus favoritos são Nocciola (avelã), Pistacchio(pistache) e Bacio (igual ao chocolate Bacio que tem chocolate e avelãs).

Gelato do Dondoli de San Gimignano, eleito o melhor da Itália - DIVINO!

Gelato do Dondoli de San Gimignano, eleito o melhor da Itália – DIVINO!

8. Nos ônibus, se você comprar a passagem quando entrar no ônibus com o motorista, custa mais caro (na Umbria, 2 euros ao invés de 1.50) do que comprando nas lojas de tabaco (Tabacchi) ou centro de informação (quanto tem algum perto das estações de trem).

9. Na grande maioria dos trens e ônibus que eu peguei não tinha anúncio de estação, de ponto e nem mapa ou letreiro pra você saber qual é a próxima estação. Tem que prestar muita atenção pra não passar direto, é bom sempre saber qual é a estação ou ponto anterior a que você tem que descer. Eu estava num ônibus em Perugia combinando com a minha amiga Leticia que horas eu ia chegar na estação pra ela me buscar e passei direto do ponto, a sorte é que eu estava bem adiantada e o ônibus fez o caminho de volta a tempo de eu pegar o trem!

10. Cuidado com os carros: muitas vezes a gente anda em ruas medievais estreitas e nem imagina que pode passar carro ali, mas passa. Atenção redobrada nas curvas, pense sempre que pode virar um carro e você tem que se posicionar em um lugar onde eles possam te ver! É incrível ver os lugares por onde os italianos passam com os carros, pra dirigir nessas micro ruas só nascendo italiano mesmo 

Carro passando por um portal medieval na cidade de Spello, na Umbria

Carro passando por um portal medieval na cidade de Spello, na Umbria

11. Você pode comprar um chip (SIM card) pro seu telefone se for desbloqueado, com um plano básico e acesso a internet, entre 10-25 euros. Para estrangeiros, só precisa mostrar o passaporte. Eu comprei o chip da TIM com um plano de voz baratinho e 4 GB de internet e saiu por 25 euros tudo (SIM + plano de voz + internet adicional). A cobertura foi muito boa, funcionou tudo direitinho. Mas levei um tempão na loja comprando, acho que fiquei no mínimo uns 40 minutos, aguardando a ativação.

12. As bebidas que não são quentes (como o café) são quase sempre servidas quase que em temperatura ambiente. Geladas mesmo é difícil encontrar, com gelo não vi em lugar nenhum. Segundo a minha amiga Leticia que mora na Umbria, isso é normal, você chega numa festa de aniversário por exemplo e estão os refrigerantes e demais bebidas em cima da mesa em temperatura ambiente. Não tem muito jeito!

13. A grande maioria dos italianos que encontrei pelo caminho não fala inglês ou fala pouco inglês, e eu achava mais fácil de entender quando eles falavam italiano mesmo e me explicar falando português ou espanhol, que são línguas mais parecidas e com muitas palavras em comum, do que em inglês.

14. Nas estações de trem você pode comprar as passagens em guichês ou nas máquinas. As máquinas são bem simples, tem várias línguas (inglês, espanhol, mas não vi português, embora já tenham dito que tem máquinas com português nos comentários) aceitam dinheiro (dão troco até 20 euros, aceitam moedas ou notas) ou cartão, mas tem que ser cartão com chip. Achei as passagens bem razoáveis, por exemplo: de uma cidade na Toscana até a cidade onde a minha amiga mora na Umbria, foram 2 horas de viagem, paguei 12 euros na passagem. De Assis (na Umbria) até Roma (também 2 horas), paguei 10 euros e pouquinho na passagem. O tempo de viagem varia de acordo com o trem que você pegar, tem horários com trens mais rápidos e diretos e horários que você tem que fazer baldeação. Caro (em comparação) foi o trem rápido (Leonardo Express) de Roma ao aeroporto Fiumicino, que custou 14 euros por um trajeto de 30 minutos. Ah, e em todos os trens que eu peguei, você tem que abrir as portas do trem, elas não abrem sozinhas (dependendo do trem tem que puxar uma alavanca ou apertar um botão).

Essas são as máquinas pra comprar a passagem de trem, em várias línguas e podem ver que tem várias bandeiras de cartão

Essas são as máquinas pra comprar a passagem de trem, em várias línguas e podem ver que tem várias bandeiras de cartão

15. Ainda sobre trens: você compra a passagem e antes de embarcar tem que validar a passagem em uma máquina que vai imprimir o horário. A passagem é válida por um número de horas depois disso. Se você não validar a passagem e embarcar, quando o fiscal te pedir a passagem ele vai te multar (entre 50 a 100 euros de multa, cuidado!). Tenha sempre a passagem com você e não jogue fora em hipótese alguma, em absolutamente todos os trens que eu peguei o fiscal passou pedindo a passagem de todo mundo – em alguns casos mais de uma vez (quando a viagem é longa).

Essa é a máquina de validar a passagem, essencial!

Essa é a máquina de validar a passagem, essencial!

A parte da viagem para a Toscana foi a convite do projeto MyTuscanExperience.com, saiba mais sobre o projeto e o site aqui.

Curtiu? Se você já foi pra Itália e tem mais algumas dicas a acrescentar, deixe nos comentários!


PUBLICADA EM: 10/08/2017 16:01:49 | VOLTAR PARA Informações e dicas | OUTRAS PUBLICAÇÕES
FONTE: http://www.aprendizdeviajante.com/index.php/2014/04/10/15-dicas-de-viagem-pra-italia-para-quem-vai-pela-primeira-vez/


Comentários


Gostou do artigo? Participe, deixe sua opinião e comentários abaixo.

(31) 3261-9610 / 3317-8070

contato@traveltour.com.br
www.traveltour.com.br

Travel Tour Agência de Viagens e Turismo Ltda

Copyright© 2015 www.traveltour.com.br
Rua Alagoas 989 Loja 10 - Savassi - Belo Horizonte / MG - CEP: 30130-160
Webcolors Editoração